Newsletter

Centro de Atendimento à Gestante

Oferece palestras de cuidados durante e após a gestação e também de valorização da vida. Além disso, fornece às mães lanche e enxoval completo confeccionado por voluntários.

 

DICAS DO JERÔNIMO PARA CUIDADOS COM O BEBÊ

 

UMBIGO – CUIDADOS BÁSICOS

Após o nascimento, o cordão  umbilical da criança é cortado alguns centímetros do umbigo. O procedimento que para a mãe pode parecer doloroso, não causa a criança, porque nessa área não há nervos.

Em cerca de 10 dias, o coto deve ficar preto e cais, mais até isso acontecer, a mãe deve ter cuidados especiais, pois antes de cair há riscos de infecção, principalmente, se o umbigo permanecer, durante muito tempo, molhado e sujo.

Até cair, o coto deve ficar bem ventilado. As secreções são normais, mais o pediatra deve ser consultado se o local apresenta pus ou sangue.

A área em volta não deve ficar vermelha ou inchada. Caso isso ocorra, o pediatra de ser consultado o mais rápido possível, pois estes sintomas indicam infecção.

 

PASSO A PASSO

  1. Deixe a maior parte do tempo o coto em contato com o ar. Não cubra o local com calça plástica, fralda ou curativo;
  2. Certifique-se que o local sempre esteja seco e limpo;
  3. Para limpar o coto, utilize algodão limpo e umedecido em produto recomendado pelo pediatra;

 

DANDO BANHO NO BEBÊ

A hora do banho trás sempre muita segurança, principalmente, para as mães de primeira viagem. O bebê parece tão frágil e escorregadio que dá a impressão de que vai se afogar na primeira oportunidade. Mas, estabelecendo-se uma rotina, mantendo-se o bom senso e observando-se algumas pequenas regras, tudo fica fácil.

Deixe tudo pronto antecipadamente; o sabonete do bebê, a toalha, a fralda, roupinhas limpas e etc.

Verifique se a água não está quente demais, tire as roupinhas do bebê. Deixe a fralda e envolva numa toalha de modo a prender delicadamente seus braços.

Sente-se próxima a banheira, leve o rostinho e a cabeça do bebê, sem ainda coloca-lo dentro da água. Depois desenrole o bebê,  retire a fralda e segure-o  com seu braço esquerdo. Você deve passar seu braço seu braço esquerdo pelas costas do bebê prender firmemente embaixo do braço esquerdo dele. Deste modo, a cabeça fica inteiramente apoiada no seu antebraço e o bebê se sente seguro.

Coloque-o delicadamente na água e com a mão direita você pode banha-lo facilmente. Retire-o da água e envolva-o na toalha e seque cuidadosamente todas as dobrinhas.

Não é recomendável usar talco. Seque bem, principalmente o umbigo. Não use faixas, sem curativos fechados. Vista a criança com roupas confortáveis e não prenda braços e pernas, pois o bebê gosta de movimentá-los.

 

COMO TROCAR A FRALDA DO BEBÊ

Em primeiro lugar é necessário manter as limpas para evitar qualquer tipo de contato indesejável com a pele do bebê. Limpe com gases ou chumaço de algodão umedecido com água morna até retirar toda a sujeira.

Após a limpeza pode-se aplicar cremes para prevenir assaduras. Se persistirem as assaduras convém a avaliação do pediatra para tratamento adequado pois podem ser indicativas de algum problema ou existir algum componente que não esteja permitido a sua cura.

Para facilitar a troca de fraldas, mantenha todos os itens a serem utilizados num só lugar. Jogue tudo o que tiver usado, como gazes, chumaços, fraldas descartáveis num lixeira.

 

ESTÍMULO AO ARROTO

Estimular a criança a arrotar após amamenta-la no peito ou na mamadeira é muito importante. O ar que a criança engole ao mamar pode dar falsa impressão de que esteja satisfeita. Para ajudar o bebê recém-nascido a arrotar, basta encostá-lo no ombro e dá-lhe levemente um tapinha nas costas. Se o bebê regurgitar o leite não se preocupe.

 

BANHO DE SOL

O banho de sol é importante para o desenvolvimento ósseo da criança e deve ser realizadas antes das 10 e após as 16 horas, com mínimo de roupas, recebendo luz solar durante 5 minutos ao dia.

Ele também auxilia na redução da “icterícia”, coloração amarelada na pele, na maioria dos casos, condições passageira e que não implica em nenhum problema. Caso se perceba seu aumento, convém uma reavaliação pelo pediatra o mais breve possível para analise de sua origem e intensidade, pois tal quadro também pode sugerir patologias mais serias que  somente o pediatra poderá orientar aos pais com maior exatidão e o riscos diminui quanto mais rápido for o diagnóstico do problema.

 

CHORO

Neste período inicial de contato com a vida, a criança chora por diversas razões visando atrair a atenção dos pais.

Por estar com fome, molhado, cólicas, sono, calor, frio, desejo de companhia ou atenção, estranhando barulhos com os quais ainda não está familiarizada ou sem reação ao estado de humor de sua própria mãe.

O ideal quando a criança chora é justamente manter a tranquilidade e observar com calma a criança que muitas vezes vai própria indicar o que está sentindo.

 

Iara Teixeira, Instrutora do Centro de Atendimento à Gestante (colocar a foto e nome dela dela em cada link de dica)

galeria